Início » 10º ano, Introdução à Filosofia, Música, Vale a pena ler

Acordar

Enviado por |

Este não é propriamente o tipo de música de que mais gosto. Ouça-a e depois diga-me o que acha. Eu dir-lhe-ei por que razão a coloquei aqui.

I’m surprised by the sun everyday I wake up
I’m surprised by waking up
I’m surprised to see my blood still running through, erupt me
Think I must have died but
I’m surprised to sledge (?) upon a darkness night
I have cried a well of poisoned tears
I’m surprised that your skin can let in so much sin
But I know I’m still alive

Looks like I’m alive / Looks like I’m alive
Looks like I’m alive / Looks like I’m alive

I have tried to understand the hardest riddles
Love and hate beloved and strange
And I am tired but I know how to stop with ??? dried (?)
Now I know I’m still alive

Looks like I’m alive / Looks like I’m alive
Looks like I’m alive / Looks like I’m alive

Alive / Alive / Alive

Conheci esta Alive de Mara Carlyle através do livro Pequeno-almoço com Sócrates, de Robert Rowland Smith [Alfragide: Lua de Papel, 2010]. Ao longo de 18 capítulos que (com uma introdução, um posfácio, bibliografia, agradecimentos e índice remissivo) constituem a obra, faz-se um percurso por várias etapas do(s) dia(s) [da vida]

[desde o acordar até ao adormecer e sonhar, passando pelo trabalho, pelas compras, fazer sexo, tomar banho, olhar-se ao espelho…]

guiados pelas ideias e conselhos de filósofos e outros pensadores.

O capítulo inicial abre assim (negrito meu):

Há uma música encantadora chamada Alive, cantada por Mara Carlyle, que abre com estes versos:

Sou surpreendida pelo sol todos os dias ao acordar,
Fico surpreendida por acordar!

[I’m surprised by the sun everyday I wake up / I’m surprised by waking up]

A voz de Mara passa da hesitação à exaltação enquanto canta, imitando a transição da sonolência para a consciência. O mais amoroso na letra da canção é que reencena o espanto infantil com o despertar, o espanto por o mundo estar ainda aí, por a pessoa que acorda continuar a existir. Mesmo para os adultos, ao despertar após um sono demasiado breve, ou com ressaca, ou ao lado da pessoa errada, ou a seguir a uma série de sonhos agitados, há um momento, imediatamente antes do regresso do pessimismo ou do desespero, em que estar pura e simplesmente acordado de novo, e ainda vivo, é uma surpresa inacreditável.

Por que razão é assim? Por que razão, embora aconteça todos os dias, pode o despertar surpreender-nos ainda? Será justamente porque, até esse momento, estávamos a dormir e por isso não suficientemente alerta para sermos capazes de prever que estávamos na iminência de acordar? Se é assim, então, tecnicamente falando, despertar não pode ser uma surpresa — porque imediatamente antes disso estamos, por definição, adormecidos.

Portanto, embora o despertar seja o mais previsível acontecimento das nossas vidas, tão certo como o nascer do sol pela manhã, nunca o prevemos de facto. Previsível e imprevisível em partes iguais, o acordar é um paradoxo — uma dobra na lógica linear das coisas — e essa é justamente uma das razões pelas quais vale a pena pensar nisso. De facto, embora pareça banal, acordar é uma das acções mais profundas que podemos levar a cabo. Pode soar estranho dizer que há uma filosofia do despertar, mas, de certa forma, a filosofia na sua totalidade não fala de outra coisa.

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.