Início » Fotografia

Camadas e Gimp: edição de fotos com software gratuito

Enviado por |

No texto As camadas do Photoshop: iniciação, procurei uma iniciação ao conceito de camada e tentei mostrar, na prática (através da modificação seletiva de cores), a sua importância no tratamento de imagens. (aconselho o texto, particularmente se não tem prática com camadas). Usei, então, como instrumento de prática, o conhecido programa Photoshop. Proponho agora um exercício semelhante, mas utilizando uma alternativa gratuita ao Photoshop: o Gimp. Já apresentei este editor de imagens noutros textos, tendo mesmo mostrado como Construir capa do Facebook com GIMP (um texto que indica de onde pode ser descarregado/instalado o programa) Portanto, camadas e Gimp são conceitos perfeitamente… compatíveis.

O que vamos fazer

Quando quero “tratar” uma foto, costumo fazer duas perguntas:

  1. o que é que pretendo (que aspetos podem ser melhorados na imagem)? Responde-se analisando a imagem
  2. como se consegue isso?

Peço ao leitor que observe a imagem 1: que alterações faria nessa imagem?

Camadas e Gimp - imagem 1

[imagem 1]

Penso que é evidente a necessidade de, pelo menos, uma melhoria: a pessoa fotografada precisa de mais luz (eventualmente, cortar um pouco da margem direita também beneficiaria a imagem).

Iremos, portanto, dar mais luz apenas à pessoa fotografada. Trabalhando a imagem 1, chegaremos à imagem 2. Há vários modos de conseguir isso; o modo aqui escolhido não será o mais aconselhável, mas servirá para conhecer (e treinar) conceitos e tarefas básicos relacionados com camadas, utilizando o Gimp.

Camadas e Gimp - imagem 2

[imagem 2]

Camadas e Gimp

O que a seguir se descreve pode parecer complicado; siga os processos descritos, praticando — a forma mais fácil de “entender” –, e concluirá que não. Antes, veja, genericamente, o que será feito: partiremos da primeira foto; faremos uma cópia dessa foto numa segunda camada; daremos brilho a toda a imagem nesta camada; aproveitaremos a figura humana da segunda camada (a que demos mais luz) e o resto da imagem será aproveitado da primeira camada (que tem a luz original). Vamos a isso?

Camadas e Gimp - imagem 3

  • Abra a imagem 1 no Gimp (se preferir, opte por outra imagem — uma foto sua, por exemplo): menu Ficheiro » Abrir.
  • Verifique, no painel Camadas – Pincéis (na janela do lado direito da imagem?) que tem uma camada (se o referido painel não estiver visível, torne-o visível com Janelas » Camadas – Pincéis).
  • Duplique essa camada. Pode fazê-lo no menu Camada » Duplicar camada ou clicando com o botão direito na camada existente e no menu escolher Duplicar camada.
  • Dê um nome personalizado à nova camada (chamemos-lhe segunda camada): para mudar o nome de uma camada, dê um duplo clique no nome (no painel das camadas) e escreva o novo.
  • Duplique novamente a camada (chamemos a esta camada clara). É sobre esta que iremos atuar. (Porquê 3 camadas? Para deixarmos a camada do fundo intacta: se não gostarmos das alterações que fizermos nas outras, bastará apagá-las e ficaremos com o original).

Fixe isto, como regra: nunca é aconselhável trabalhar na própria imagem, mas numa camada nova ou num duplicado da camada de fundo — deste modo, pode sempre regressar-se ao original.

Consciencialize nisto (mesmo sendo óbvio): uma nova camada não é um novo ficheiro (ou uma nova imagem); dentro do mesmo ficheiro (da mesma imagem) do Gimp pode haver muitas camadas.

Recordo: uma camada pode ser mostrada ou ocultada clicando no ícone “olho” (na extremidade esquerda da linha respetiva, no painel das camadas. Experimente!)

  • Dê mais brilho à camada clara.
    • Tenha isto em conta: as operações que fizer terão efeito sobre a camada selecionada. Por isso, se a camada selecionada não for a camada clara, dê um clique na linha respetiva, para a selecionar.
    • Para um modo fácil (rápido e simples), use a ferramenta de brilho e contraste (menu Cores » Brilho/Contraste) para ajustar os níveis de brilho e contraste a seu gosto. Se preferir algo mais sofisticado, use as ferramentas de níveis e curvas (no menu Cores).
    • Preocupe-se com o brilho e contraste da pessoa (particularmente do rosto); o resto da imagem, recordo, será aproveitado da camada inferior.
    • Verifique que as camadas inferiores não foram alteradas: esconda camada superior (clique no respetivo ícone do olho. Clique novamente, para a mostrar).
    • Para treinar (só para isso!), faça de outro modo a verificação anterior (a não alteração das camadas inferiores): no painel das camadas, arraste a segunda para cima da primeira; agora, que trocou a ordem das duas primeiras camadas, verá, inalterada, a que era a segunda. Volte a arrastar para a ordem anterior.
  • Na camada clara, apague tudo o que não seja a figura humana principal.
    • Verifique se a camada clara é a superior e está selecionada (está a ver porquê, não está? É ela que vai ser modificada).
    • Selecione a borracha, clicando no respetivo ícone da caixa de ferramentas. Com um duplo clique nesse ícone, abre as opções de ferramentas — neste caso, da borracha, designadamente, o seu tamanho.
    • Se tiver seguido todos os passos anteriores, a borracha, neste momento, será equivalente à ferramenta de pincel ou lápis: as cores apagadas serão substituídas pela cor de fundo (querendo experimentar, desfaça o que fez com as teclas Ctrl+Z). A razão é esta: a camada não tem um canal alfa. Não é este o momento para mais detalhes, mas… acrescente um canal alfa à camada: menu Camada » Transparência » Adicionar canal alfa. Agora, a borracha produz transparência (total ou parcial, de acordo com as configurações das opções da ferramenta): como nos interessa, nas zonas apagadas ficará visível o conteúdo da camada inferior.
    • No painel das opções da borracha, vá alterando o tamanho da mesma, de acordo com as zonas a apagar: para áreas maiores, com pouco rigor, tamanho maior.
    • Para os contornos da figura humana, que exigem mais rigor, amplie a imagem e adapte o tamanho da borracha. Para ampliar a imagem, use os valores de percentagem na barra inferior da janela da imagem ou o menu Ver » Amplicação » Ampliar ou segure a tecla Ctrl e gire a roda central do rato.
    • Para verificar o trabalho feito, deixe apenas visível a camada clara (clique no ícone do olho das restantes; volte a clicar, para as tornar visíveis).
  • Se gostar, recorte a imagem ligeiramente, na margem direita, de modo a retirar a mancha negra (parte de uma pessoa) que não interessa ao conjunto.
  • Quando lhe agradar o trabalho, guarde-o…
    • …no formato do Gimp (o nome do ficheiro terá a extensão .xcf e serão guardadas as camadas, para o caso de querer fazer alterações, futuramente): menu Ficheiro » Gravar;
    • …no formato .jpg: menu Ficheiro » Exportar (selecione, no tipo de ficheiro, a extensão da Imagem JPEG). Escolha um nome diferente do nome original, para manter o ficheiro de que partiu.

Camadas e Gimp - imagem 3

[imagem 3]

  • Proponho-lhe uma última… brincadeira: deixar a figura principal a cores, passando o fundo a preto e branco. Assim:
    • Neste momento, tem três camadas: duplique a camada do meio: clique nela com o botão direito do rato e escolha, no menu, Duplicar camada. (chamemos-lhe camada p/b). Esta nova camada deverá ficar imediatamente por baixo da camada clara.
    • Passe a preto e branco a camada p/b:
      • selecione-a (dê-lhe um toque com o ponteiro do rato): as operações seguintes, recordo-lhe, afetarão esta camada;
      • no menu Cores, escolha Matiz/Saturação; deslize o ponteiro da Saturação até ao nível de que gostar: a parte visível da camada p/b mudará para preto e branco.
      • Querendo, elimine a última camada: clique nela com o botão direito do rato e escolha Eliminar camada.
    • Pelos processos anteriores, guarde (com nomes diferentes dos usados antes) as alterações, em ficheiro ,xcf (formato do do Gimp) e JPEG. Cuidado! para poder alterar o nome dos ficheiros, utilize, respetivamente, os menus Ficheiro » Gravar Como e Ficheiro » Exportar como.

*****

||| Como quando utilizámos o Photoshop (no já referido exercício As camadas do Photoshop: iniciação), usámos a borracha, mas este não é, como já disse, o método mais recomendado. Fixe isto: a borracha deveria ser uma das ferramentas menos usadas; em vez dela, usem-se as máscaras de camadas. Mas, como o objetivo deste exercício foi consciencializar o “básico” das camadas e o assunto das máscaras de camadas é mais complexo, ficará esse assunto para uma próxima oportunidade.

||| Peço e agradeço o favor de usar a caixa dos comentários para partilhar os seus conhecimentos, as suas dúvidas, as suas críticas sobre este assunto.

Tags: ,

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.