Início » 10º ano, Ética, Filosofia

ECOS: 22. Onde está o problema do aborto

Enviado por |

Tipos de mentes

[…]quem acredite que é evidente que um feto de dez semanas tem mente, e quem pense que é evidente que não. Se não tem mente, então fica aberto o caminho para argumentar que o feto não tem maiores interesses que os que possa ter, digamos, uma perna gangrenada ou um dente cariado: e então poder-se-ia destruir para salvar a vida (ou simplesmente para servir os interesses) da pessoa que tem interesses e da qual forma parte. Se o feto já tem mente, então, decidamos o que decidirmos, temos que considerar os seus interesses em conjunto com os do seu portador temporário. No meio destas duas posições extremas encontra-se o autêntico dilema: o feto desenvolverá, a seguir, a sua própria mente se não for perturbada; assim, a partir de quando é que começamos a contar com os seus futuros interesses?

[Daniel C. Dennett.  Tipos de mentes: Hacia una comprensión de la conciencia. Madrid: Debate, 2000, p. 16-17. Tradução e negritos de O meu baú].

Tags:

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.