Início » 10º ano, Filosofia da ação, Poesia

Livre (não) sou

Enviado por |

Conquista

Livre não sou, que nem a própria vida
Mo consente.
Mas a minha aguerrida
Teimosia
É quebrar dia a dia
Um grilhão da corrente.

Livre não sou, mas quero a liberdade.
Trago-a dentro de mim como um destino.
E vão lá desdizer o sonho do menino
Que se afogou e flutua
Entre nenúfares de serenidade
Depois de ter a lua!

[Miguel Torga (1907-1995). Diário II]

Proposta de análise filosófica: ligar o poema à problemática do confronto liberdade/determinismo, que faz parte da rubrica A acção humana do programa de Filosofia (10º ano – 2011/12) (ver o guião de desenvolvimento do tema, que proponho aqui).

  • que tese defende o poeta? nega a liberdade?
  • em que argumentos apoia essa tese?

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.