Início » Tecnologia

O que é uma base de dados?

Enviado por |

Este é o primeiro de uma série de artigos dedicada à criação e gestão de bases de dados. Foi idealizada pensando nos leitores que ainda se não iniciaram neste tema; por isso, a série começa… pelo princípio, isto é, pela questão: o que é uma base de dados?

O que é uma base de dados

Os exemplos são, frequentemente, a melhor forma de entender algo. Partamos, então, de exemplos:

  • Um romance (mesmo que de 1000 páginas) não é uma base de dados;
  • Uma lista telefónica é uma base de dados.

Que características tem a lista telefónica que a tornam uma base de dados? Simplificando, a resposta é: a informação nela contida está organizada segundo regras e critérios. É fácil de entender, se consciencializar o seguinte:

  • uma lista telefónica é um conjunto de “fichas” — chamemos-lhe registos: cada contacto telefónico é um registo;
  • cada contacto/registo é um conjunto de dados diferentes: para simplificar, no caso da lista telefónica consideremos apenas o nome, a morada e o número de telefone. Todos os registos têm estes dados. Cada um destes grupos (nome, morada, número) é um campo.
  • Ou seja: uma agenda telefónica com 10 contactos onde consta o nome, a morada e o número dos contactos é uma base de dados com 10 registos e com 3 campos (nome, morada e número).
  • Proponho-lhe um exercício: justifique agora por que razão um romance não é uma base de dados.

Lidamos, no dia a dia, com muitas bases de dados. São exemplo

  • a caderneta de um professor (com a base de dados dos alunos);
  • o catálogo dos livros de uma biblioteca;
  • a lista de fornecedores de uma empresa;
  • a lista das faturas que registámos no sítio web das finanças;
  • a lista dos filmes de um clube de vídeo;
  • a lista dos utentes de um determinado centro de saúde;
  • o registo das vendas de um hipermercado;
  • e termino com uma proposta de exercício: escreva os nomes possíveis de possíveis campos de algumas das bases de dados antes referidas. Por exemplo, na lista das faturas: nº contribuinte do comerciante; tipo de fatura; valor da fatura; data da fatura…

Podemos constituir bases de dados com caneta e papel. Ou podemos fazê-lo, com mais facilidade e eficácia, usando um programa informático. Há vários programas que nos permitem manejar bases de dados; quando digo manejar, quero dizer criar, alterar, pesquisar,… No exemplo da lista telefónica, acrescentar contactos telefónicos, alterar números de telefone ou moradas, procurar o nome associado a um determinado número, contar os contactos que vivem numa determinada cidade, calcular o número de telefones de uma determinada operadora, etc..

Escolhi, para trabalharmos nesta série de artigos, o mais conhecido gestor de base de dados da Microsoft: o Access. Em devido tempo, justificarei a opção por este programa, que vem integrado em alguns pacotes do Office da empresa (com outros programas como o Word, o Excel, o PowerPoint…). Deixo aqui a referência a um outro gestor de bases de dados, o Base, incluído numa alternativa ao Office da Microsoft, o OpenOffice: o Base tem sobre o Access, entre outras, a vantagem de ser gratuito (tal como o OpenOffice, ao contrário do Office).

*****

Segundo texto desta série: como criar uma base de dados; exemplos aplicáveis ao quotidiano.

Por favor, participe ativamente nesta série: sugira; corrija; acrescente;…

[ilustração copiada daqui]

Tags:

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.