Início » Música

SONS # 2 há destino?

Enviado por |

A Força do Destino

é uma ópera de Giuseppe Verdi (1813-1901) que se baseia num drama romântico espanhol e cujo enredo se pode sintetizar assim (por Rupert Christiansen):

Sevilha, durante o século XVIII. Quando a nobre Leonora se prepara para fugir com Alvaro –– uma figura misteriosa, de estilo byroniano e ascendência inca – o seu pai entra para os impedir de concretizar as suas intenções. Quando Alvaro se rende, deixando cair a sua pistola, esta dispara acidentalmente e mata o pai de Leonora. Leonora e Alvaro fogem cada um para seu lado, cada um acreditando que o outro morreu. Carlo, o irmão de Leonora, persegue-os aos dois, procurando vingar-se pela desgraça que trouxeram à família. Depois de escapar por pouco a Carlo, Leonora pede ao Padre Guardiano, que é responsável por um mosteiro, que lhe dê abrigo. Este aceita acolhê-la num eremitério solitário.

Alvaro e Carlo assumem diferentes identidades e juntam-se a um contingente espanhol a lutar em Itália, na Guerra da Sucessão Austríaca. Alvaro salva Carlo de ser morto por um grupo de rufias. Desconhecendo a identidade um do outro, os dois homens juram amizade. Então, Alvaro fica gravemente ferido numa batalha. Confia a Carlo um pequeno cofre com objectos pessoais, pedindo-lhe que o abra depois da sua morte. As suspeitas de Carlo acerca da verdadeira identidade de Alvaro são confirmadas quando aquele, traiçoeiramente, abre o cofre e aí encontra um retrato da sua irmã Leonora. Depois de Alvaro recuperar, Carlo insulta-o e provoca um duelo inconclusivo. Alvaro regressa a Espanha e, por coincidência, entra no mesmo mosteiro que acolheu Leonora.

Vários anos mais tarde, Carlo descobre o paradeiro de Alvaro e desafia-o para outro duelo, às portas do eremitério. Alvaro fere fatalmente Carlo, e percorre o eremitério em busca de uma pessoa santa que lhe administre os últimos sacramentos. Leonora aparece e fica espantada por se ver diante de Alvaro, mas Carlo, vingativo até ao fim, consegue ainda ter forças para a apunhalar até à morte. O Padre Guardiano tenta trazer algum conforto religioso a Alvaro, desesperado.

[Guia da Ópera. Lisboa: Edições 70, 2007, p. 207-208]

  • É fácil de perceber a razão do título da ópera (vá lá… por que razão se chama A Força do Destino?)
  • Já agora… o leitor acha que há destino? como sabe — que (não) há?

Enquanto responde às perguntas, proponho-lhe ouvir a muito tocada abertura da ópera (que começa com o tema do “destino”):

…e ouça Leonora (no mosteiro, disfarçada de homem) cantar  La Vergine degli Angeli e Pace, Pace, mio Dio 

Tags:

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.