Início » 10º ano, 11º ano, Está/esteve a dar, Poesia, Teoria do conhecimento

Verdade

Enviado por |

A porta da verdade estava aberta,
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela.
E carecia optar. Cada um optou conforme
seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

Este é um poema de Carlos Drummond de Andrade, com o qual celebramos o nascimento, a 31 de Outubro de  1902, do poeta, contista e cronista brasileiro.

Proponho uma análise filosófica do problema da verdade, a partir do poema. Parece que Drummond defende uma posição relativista. Ou cética? Curiosamente, apresenta a discussão da verdade numa perspetiva estética: “Chegou-se a discutir qual a metade mais bela” — e não a metade mais verdadeira. E a opção, no caso da verdade, é um assunto de capricho, ilusão, miopia.

Mas, por outro lado, Drummond entende que “a porta da verdade [está] aberta”, o que parece indicar que o poeta crê na possibilidade de (algum) conhecimento — e, portanto, se nega qualquer relativismo ou ceticismo.

O que acha o leitor que o poeta defende? e o que acha do que o poeta defende — concorda com ele?

[Deixe a sua resposta sob a forma de comentário!]

||| N’O meu Baú, outras notas sobre (e poemas de) Drummond, aqui.

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.