Início » 11º ano, Destaques, Teoria do conhecimento

CONHECIMENTO: origem e tipos

I. CONHECIMENTO A PRIORI E A POSTERIORI

Imagine-se o leitor numa sala, onde decorre uma conferência, e alguém lhe envia um sms a perguntar quantas pessoas há na sala. Como é que o leitor pode sabê-lo? não tem outro modo de o saber senão olhando e contando os presentes. Suponhamos que a resposta (chamemos-lhe P1) é:

(P1) Nesta sala estão 20 pessoas.

Confronte agora (P1) com outra afirmação (chamemos-lhe P2):

(P2) O todo é maior que a parte.

Não precisamos da experiência para saber P2. Mas precisamos da experiência (dos sentidos) para saber P1. Ao primeiro tipo de conhecimento chamamos conhecimento a posteriori; ao segundo tipo, conhecimento a priori.

Portanto, considerando a sua origem, temos dois tipos de conhecimento; assim,

sei A POSTERIORI (porque tenho de recorrer à experiência) que a minha vizinha pintou o cabelo; que houve um acidente no Haiti; que Dilma Rousseff é a primeira presidente eleita do Brasil; …

sei A PRIORI (porque de algum modo não depende da experiência) que 4+3=7; que nenhum solteiro é casado; que o conhecimento é mais desejável do que a ignorância; …

Analisemos um 3º exemplo — agora, um argumento, e não proposições, como anteriormente (identificaremos as premissas com Pr1 e Pr2 e a conclusão, com C):

(Pr1) A cidade de Lisboa é maior do que a de Porto.

(Pr2) Porto é maior do que Viseu.

(C) Logo, Lisboa é maior do que Viseu.

Faça o exercício: as premissas são a priori ou a posteriori?

Claro! são ambas são a posteriori. Quando pelo menos uma das premissas de um argumento é a posteriori, estamos perante um argumento a posteriori: é o caso do anterior. Um argumento é a priori quando todas as suas premissas são a priori.

Convido-o a mais um exercício (4º exemplo): este argumento é a priori ou a posteriori?

(Pr1) Deus é o ser maior do que o qual nada pode ser pensado.

(Pr2) Mas se Deus não existir, não é o ser maior do que o qual nada pode ser pensado (porque qualquer ser existente seria mais perfeito do que ele).

(C) Logo, Deus existe.

[Todas as premissas são a priori; logo, é um argumento a priori]

II. CONHECIMENTO INFERENCIAL E PRIMITIVO

Voltemos aos exemplos anteriores. No 4º, a proposição Deus existe resultou de uma inferência

(uma inferência é o processo através do qual passamos da aceitação, eventualmente provisória, de algumas proposições para a aceitação de outras. No caso, passamos da aceitação das premissas Pr1 e Pr2 para a conclusão C).

Dizemos, por isso, que é um conhecimento inferencial. É um conhecimento (com uma origem) diferente daquele que obtenho quando, por exemplo, olho pela janela e verifico que não está a chover. Neste caso, é um conhecimento não inferencial

(não fico a saber que está a chover a partir de outras proposições; seria inferencial se ouvisse a chuva a bater no telhado e daí concluísse que está a chover).

Por razões óbvias, ao conhecimento inferencial chamamos também derivado. E ao não inferencial, primitivo.

III. COMBINAÇÕES DOS 4 TIPOS DE CONHECIMENTO

É isso mesmo: é possível combinar os vários tipos de conhecimento que analisámos. Temos, pois,

a) conhecimento derivado a priori;

b) conhecimento derivado a posteriori;

c) conhecimento primitivo a priori e

d) conhecimento primitivo a posteriori.

Como penso que é fácil entender a distinção (se se entenderam as distinções anteriores), proponho alguns exemplos como exercício. Qual dos 4 tipos acima enunciados é exemplificado por cada um destes casos:

  1. Sei que está um gato em casa (vi-o passar).
  2. Nenhum objecto físico pode ser ao mesmo tempo verde e vermelho em toda a superfície.
  3. Todos os viseenses são portugueses. O John é viseense. Logo, o John é português.
  4. Todos os números ou são pares ou são ímpares. O número 3 não é par. Logo, é impar.

Não avance para a leitura da minha resposta antes de fazer o exercício.

[1. primitivo a posteriori; 2. primitivo a priori; 3. derivado a posteriori; 4. derivado a priori]

Notas finais:

  • O nosso conhecimento resulta, normalmente, da conjugação destes vários tipos e não exclusivamente de um deles.
  • A definição de inferência, dada acima, pode causar alguma confusão com a definição de argumento. A diferença entre os dois conceitos é que um argumento é uma inferência usada para persuadir racionalmente alguém.
  • Devemos falar de conhecimento a priori e conhecimento a posteriori, em vez de proposições a priori e proposições a posteriori. Saiba porquê, aqui.

[Pretexto para a publicação deste exercício: a rubrica Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva do programa atual (ano letivo 2011/12) do 11º ano de Filosofia]

Tags:

3 Comentários »

Deixe um comentário!

Escreva o seu comentário a seguir, ou o trackback do seu próprio sítio da Web.

Respeite a netiqueta e o assunto em discussão. Ativámos a moderação de comentários para filtrar o spam; por isso, o seu comentário pode levar algum tempo a ser publicado.

Pode usar estas etiquetas:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este blogue utiliza Gravatars. Se ainda não tem um, crie-o em Gravatar.